ArtRio | 14 a 18 de setembro de 2022 ArtRio | 14 a 18 de setembro de 2022

Gaby Indio da Costa Arte Contemporânea | Abertura da exposição “Há céu por toda parte”, de Mercedes Lachmann

09/09/2022 - Por ArtRio

Há céu por toda parte
Há algo de alquímico nestes experimentos artísticos de Mercedes Lachmann. A sala
expositiva recorda-nos um dos modos mais usuais de se representar pictoricamente o ateliê
do artista entre os séculos XVI e XVII: o laboratório do alquimista. Vidros, objetos e líquidos
preenchiam o ateliê, onde se processaria a transmutação e purificação dos elementos, onde
se realizaria a obra que, deixada à posteridade, transgrediria a morte. Um ateliê que
encerrava magia, arte e ciência, no qual a sabedoria secreta do artista-alquimista buscava
desvendar os vínculos ocultos que atam seres e coisas, o mistério da matéria, da criação e
das metamorfoses.
E, no entanto, se há algo de alquímico nos experimentos de Mercedes, trata-se sobretudo
de perceber a vida como dança alquímica, de ouvir o sussurro das plantas, de aprender
com elas a beijar o céu. Pois o céu sempre correspondeu a esse beijo, doando-lhes a
energia que elas transformam nessa matéria química, que se move e se molda em infinitas
formas viventes. Oxigênio e luz. É por essa transdução de energia solar, essa comunhão
que ocorre, em seu corpo vegetal, entre céu e terra, entre sol e este planeta verde, que há
vida. Como fala Emanuele Coccia [A vida das plantas], autor caro à artista, a vida é um fato
celeste, tudo o que vemos, respira e move não é senão céu; e, se a vida é também um fato
vegetal, é porque está nele a força cosmogônica, contínua e perpétua, que cria o mundo
dos viventes. Há uma sabedoria secreta, decerto, mas são antes as plantas a nos ensinar.
Mercedes coleta folhas que encontra por suas andanças, troncos que restaram dos
“arrastes” (assim nomeado, por madeireiros, o deslocamento das árvores derrubadas até
seu escoamento), ervas com propriedades medicinais e mágicas para compor o que define
como seus jardins regenerantes. Regenerar pela arte a vida desses seres em fim de ciclo,
entender com eles a respiração que dá ritmo e forma à nossa imersão no mundo, aprender
enfim a capacidade metamórfica de seu pensamento. Reconhecer que as plantas pensam é
deslocar o homem de um lugar tão privilegiado quanto narcísico como único ser dotado de
consciência, palavra, espírito.
Quimeras afirmam que a vida é uma força telúrica que hospeda, se mistura e se
metamorfoseia em uma pluralidade de vidas, que somos seres híbridos em inextricável
interdependência. Em Arrastes, os troncos abatidos ganham pulmões e carícias de vidro,
que se amoldam à ferida da árvore morta, como se, para a dor vegetal, fosse urgente o
unguento que lhes devolvesse o que é sua maior dádiva: o sopro de vida quando tudo
começou a respirar.
Tropismos e Campos de força compõem uma partitura cósmica. São campos de energia
regenerante (a transmutação em tubos de ensaio das forças curativas e mágicas de folhas
como lavanda, camomila, urucum); de energia cromática (os tons de sépia, amarelo, verde
que derivam da mistura com a água); de energia sonora (porque desenham uma partitura de
tons e vórtices de uma música cósmica mundana que traduz em visualidade o que nos
falam as plantas).
Se toda cosmologia precisa partir de uma reflexão botânica, é porque toda forma de vida é
uma forma de mundo que carrega o céu, a mistura quimérica de que somos feitos, suas
transmutações perpétuas, e o movimento do astro como este aqui em que vivemos. Há céu
por toda parte.
Marisa Flórido

Patrocinadores


A ArtRio utiliza cookies para personalizar a experiência do visitante em nosso site, analisar dados e ajudar em iniciativas de marketing. Ao clicar em “aceitar”, você está concordando com os nossos termos.