Sobre a obra

sem título

obra participante da exposição individual de Rodrigo Sassi, esquinas que me atravessam, no CCBB-SP


Ficha técnica

Rodrigo Sassi
sem título, 2018
xilogravura sobre papel
Edição: 1/5 + PA
172 x 80 cm


Sobre o artista

Rodrigo Sassi

Rodrigo Sassi desenvolve um trabalho que parte da sua relação e dialogo com o universo que o circunda. Busca no cenário urbano referências estéticas e conceituais que, processadas pelo artista, transformam objetos e materiais “oferecidos” pela cidade, em tridimensionais que tratam dessa realidade de forma abstrata. Suas obras expressam a não linearidade, o caos e as constantes transformações que sofrem nosso habitat, de certa forma, refletindo sintomas provenientes de nos mesmos. As composições são livres, irregulares e muitas vezes aparentam seguir aleatoriamente, ora interferindo no espaço, ora se deixando guiar por ele. Rodrigo Sassi graduou-se em Artes Plásticas pela FAAP – Fundação Armando Alvares Penteado em 2006. Nesta época seu trabalho era voltado para a prática de intervenções urbanas, onde utilizava a cidade como suporte de atuação, reflexão e inspiração para suas obras. Com o passar do tempo, esta pesquisa urbana se transformou em referência para seu trabalho mais recente, hoje voltado para o tridimensional. Entre as exposições individuais mais recentes estão: Tríptico, FAMA – Fabrica de Arte Marcos Amaro – FMA (Itu, SP, 2019); Esquinas que me atravessam, CCBB-SP (São Paulo, SP, 2018); Mesmo com dias maiores que o normal, CCSP (São Paulo, SP, 2017); Prática comum segundo nosso jardim, Caixa Cultural Brasília (Brasília, DF, 2016); Tudo aquilo que eu lhe disse antes mas nem eu sabia, RedBull Station (São Paulo, SP, 2015). Entre as exposições coletivas estão: The humble black line – Frameless Gallery (London, UK, 2018); One in a million – Gallery Nosco (Marcelle, FR, 2018); 6º Prêmio Marcantonio Vilaça, MUBE – Museu Brasileiro de Escultura (São Paulo, SP, 2017); Atlas Abstrato, CCSP – Centro Cultural São Paulo (São Paulo, SP, 2016); Um lugar para ser, CCSP – Centro Cultural São Paulo (São Paulo, SP, 2015). Entre os prêmios, bolsas e residências estão: campo, studio residence, (Garzon, Uruguay), Ocupac?a?o Fa?brica Sa?o Pedro, FMA – fundac?a?o marcos amaro, exhibition prize (São Paulo, SP, 2018); sculpture space, studio residence, (Utica, NY, EUA, 2016); cite? internationale des arts de paris, studio residence (Paris, Fr, 2014); pre?mio - espac?o galeria sesi, sesi-sp, (Sa?o Paulo, SP, 2013); pre?mio - funarte de arte contempora?nea, (Brasília, DF, 2013); mamam no pa?tio – museu de arte moderna aluísio magalhães - studio residence (Recife, PE, 2012); pre?mio - 3o sala?o dos artistas sem galeria, (São Paulo, SP, 2012).


CENTRAL GALERIA

São Paulo / SP

A Central Galeria promove exposições e fomenta o debate em torno da arte contemporânea. Em 2018 muda-se para o prédio histórico do IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil) projetado pelo renomado arquiteto Rino Levi, localizado no centro da cidade. Essa mudança reformula o espaço e o programa da galeria para estabelecer um diálogo maior com a cidade e o público, expandindo assim, a difusão da produção artística atual e potencializando as trocas e parcerias. O novo programa e dinâmica do espaço salientam o hibridismo e multiplicidade da arte contemporânea, acreditando que o conteúdo e as interlocuções propostas no âmbito da galeria podem transformar e conectar ideias e pessoas.


Outras obras do artista