Sobre a obra

Endocrinoides #24 (Série “Endocrinoides”)


Ficha técnica

Grafite, pastel seco e pastel oleoso sobre papel


Sobre o artista

Raquel Nava

Nasceu em Brasília, DF, Brasil, em 1981.

Vive e trabalha em Brasília, DF, Brasil.

A artista lida com a dicotomia orgânico–inorgânico, usando taxidermia em suas instalações e fotografias. O efêmero da vida também está integrado em sua produção.

FORMAÇÃO

2010–2012 - Mestrado em Poéticas Contemporâneas, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. 2002–2007 - Bacharelado em Artes Visuais, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. 2005 - Aluna ouvinte no curso de Estética, Faculdade de Filosofia e Letras, Universidad de Buenos Aires, Buenos Aires, Argentina.

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

2018 - SP-Arte, curadoria de Luiza Teixeira de Freitas, Pavilhão Ciccillo Matarazo, São Paulo, SP, Brasil. 2017 - Suturas, curadoria de Raphael Fonseca, Portas Vilaseca Galeria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. - Besta Fera Pop Fauna, organização de Dalton Camargos, Alfinete Galeria, Brasília, DF, Brasil. 2015 - Passeio Selvagem, curadoria de Graça Ramos, Referência Galeria de Arte, Brasília, DF, Brasil. - Proyecto Nazca, curadoria de Manuel Neves, Galeria El Paseo, Lima, Peru. - A morte chega cedo, curadoria de Rafael Campos Rocha, Alfinete Galeria, Brasília, DF, Brasil. 2014 - Le Royal, curadoria de Wagner Morales, La Maudite, Paris, França. - Combinação (arranjo e acordo), curadoria de Matias Monteiro, Espaço Piloto, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. 2012 - Ver-me Verme, curadoria de Karla Osório Netto, Espaço Cultural Contemporâneo, Brasília, DF, Brasil.

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

2018 - Transborda Brasília, curadoria de Agnaldo Farias, Clarissa Diniz, Guga Carvalho, Lisette Lagnado e Marília Panitz, Caixa Cultural, Brasília, DF, Brasil. - Ondeandaaonda 3, curadoria de Wagner Barja, Espaço Cultural Renato Russo, Brasília, DF, Brasil. - Natureza Sintética, curadoria de Icaro Ferraz Vidal Junior, Galeria do Instituto de Artes GAIA, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, Campinas, SP, Brasil. 2017 - Os Fios e a Trama, curadoria de Márcio Tavares, Referência Galeria de Arte, Brasília, DF, Brasil. - animal-estar, curadoria de Ícaro Ferraz Vidal Jr., Galeria de Arte da Universidade Federal Fluminense - UFF, Niteroi, RJ, Brasil. - Quando as formas se tornam relatos, curadoria de Ana Avelar, Casa da América Latina, Centro de Artes e Letras/Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. - Luxe deLuxe, curadoria de Guilherme Gutman, Portas Vilaseca Galeria, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. - Bestiário, curadoria de Raphael Fonseca, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. - Partilhas, presenças, projetos, curadoria de Mario Gioia, Blau Projects, São Paulo, SP, Brasil. - 66º Salão Paranaense, curadoria de Cauê Alves, Danilo Villa e Gaudêncio Fidelis, Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, PR, Brasil. - Arte Atual Festival - QAP: Tá na escuta?, curadoria de Paulo Miyada, Priscyla Gomes, Luise Malmaceda e Theo Monteiro, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, SP, Brasil. - Responder a Tod_s, curadoria de Raphael Fonseca, Espaço Despina, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. - A vista: paisagem em contorno, curadoria de Marília Panitz, Galeria Fayga Ostrower/FUNARTE, Brasília, DF, Brasil. - Vicejar, curadoria de Onice Moraes, Referência Galeria de Arte, Brasília, DF, Brasil. 2016 - My body is a cage, curadoria de Raphael Fonseca, Luciana Caravello Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. - Reply all, curadoria de Raphael Fonseca, Grosvenor Gallery, Manchester School of Art, Manchester, Reino Unido. - Ruminescências/Dadaspring, curadoria de Helô Sanvoy, Paul Setúbal e Thiago Lemos, Centro Cultural da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil. - A Mesa Experiência 8 Comensais #1, curadoria de Maykson Cardoso, Espaço Mesa/Morro da Conceição, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. - 1º Salão Mestre D’Armas, curadoria de Bené Fonteles, Gisel Carriconde e Wagner Barja, Museu Histórico e Artístico de Planaltina, Brasília, DF, Brasil. 2015 - Prêmio Transborda Brasília, curadoria de Agnaldo Farias, Cristiana Tejo, Fernando Cocchiarale, Marília Panitz e Ralph Gehre, Caixa Cultural, Brasília, DF, Brasil. - TRIO BIENAL, curadoria de Marcus Lontra, Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. - Vértice: Coleção Sérgio Carvalho, curadoria de Marília Panitz, Marisa Mokarzel e Polyanna Morgana, Museu Nacional dos Correios, Brasília, DF; Centro Cultural dos Correios, Rio de Janeiro, RJ; e Centro Cultural dos Correios, São Paulo, SP, Brasil. - Re) (apertura, curadoria de Carolina Magnin e Pablo Caligaris, La Ira de Dios, Buenos Aires, Argentina. Ondeandaaonda, curadoria de Wagner Barja, Museu Nacional da República, Brasília, DF, Brasil. - Turvas Narrativas, curadoria de David Almeida, Galeria Orlando Lemos, Belo Horizonte, MG, Brasil. 2014 - À sua saúde, curadoria de Polyanna Morgana, Museu Nacional da República, Brasília, DF, Brasil. - Exposição 20: pinturas e pictorialidade em Brasília – 2000/2014, curadoria de Matias Monteiro, Espaço Cultural Marcoantonio Vilaça, Brasília, DF, Brasil. - Model Behaviours 1, curadoria de Judith Lavagna, Instituto Cervantes, Berlim, Alemanha. - Die Kunst, das material und die, curadoria de Diana Toledo, Global 3000, Berlim, Alemanha. 2013 - Confluencias: Australia and Latin American Art, curadoria de Clay Paula, Museum of Freemasonry, Sydney, Austrália. - 19º Salão Anapolino de Arte, curadoria de Carlos Sena, Marília Panitz e Paulo Henrique Silva, Galeria Antônio Sibasolly, Anápolis, Goiás, GO, Brasil. - Mostra Triangulações, curadoria de Alejandra Hernández e Marília Panitz, Museu Nacional da República, Brasília, DF; Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife, PE; e Galeria Paulo Darzé, Salvador, BA, Brasil. 2012 - Centerfold, curadoria de Ralph Gehre, Referência Galeria de Arte, Brasília, DF, Brasil. - MAB: diálogos de resistência, curadoria de Wagner Barja, Museu Nacional da República, Brasília, DF, Brasil. 2011 - Fora do eixo, curadoria de Krishna Passos e Maycira Leão, Espaço Cultural Renato Russo, Brasília, DF, Brasil. 2010 - Brasília Prazer de Pintura, curadoria de Bené Fonteles, FUNARTE, Brasília, DF, Brasil. - Ocupação Contemporânea, curadoria de Marcus Lontra, Referência Galeria de Arte, Brasília, DF, Brasil. - Vento Vestia, seleção de Wagner Barja, Casa da América Latina, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. - Aos Ventos Virão, curadoria de Fernando Cocchiarale e Karla Osório Netto, Espaço Cultural Contemporâneo, Brasília, DF, Brasil. 2009 - Sobrecidade I: mostra Brasília de vídeo sobre intervenção urbana, curadoria de Rodrigo Paglieri, Museu Nacional da República, Brasília, DF, Brasil. - Espaço-tempo, curadoria de Atila Regiani e João Angelini, Espaço Piloto, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. - Vídeo-vitrine, curadoria de Cila Mac Dowell, Galeria entre-tanto, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. 2008 - Iten-cidade, curadoria de André Santangelo, Espaço Cultural Renato Russo, Brasília, DF, Brasil. - Projeto Lacuna, curadoria de Luan Grisolia e Mayra Miranda, Espaço Cultural Renato Russo, Brasília, DF, Brasil. - Play Replay, curadoria de Atila Regiani, Espaço Cultural Marcantonio Vilaça, Brasília, DF, Brasil. 2007 - Ágoragora arte e tecnologia, curadoria de Beatriz Medeiros e Malu Fragoso, Espaço Cultural do Superior Tribunal de Justiça, Brasília, DF, Brasil. 2006 - As Artes Visuais na Casa da América Latina, seleção de Geraldo Orthof, Casa da América Latina, Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

PRÊMIOS E SALÕES

2018 - Indicada ao Prêmio PIPA, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. - Prêmio Transborda Brasília, júri de seleção: Agnaldo Farias, Clarissa Diniz, Guga Carvalho, Lisette Lagnado, e Marília Panitz, Caixa Cultural, Brasília, DF, Brasil. 2017 - 66º Salão Paranaense, júri de seleção composto por Cauê Alves, Danilo Villa e Gaudêncio Fidelis, Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, PR, Brasil. 2016 - 1º Salão Mestre D’Armas, júri de seleção: Bené Fonteles, Gisel Carriconde e Wagner Barja, Museu Histórico e Artístico de Planaltina, Brasília, DF, Brasil. 2015 - Prêmio Transborda Brasília, júri de seleção: Agnaldo Farias, Cristiana Tejo, Fernando Cocchiarale, Marília Panitz e Ralph Gehre, Caixa Cultural, Brasília, DF, Brasil. 2013 - 19º Salão Anapolino de Arte, prêmio aquisição, Galeria Antônio Sibasolly, Anápolis, GO, Brasil.

RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS

2015 - La Ira de Dios, Buenos Aires, Argentina. 2014 - Agora/Affect, Berlim, Alemanha.

COLEÇÕES INSTITUCIONAIS

- Casa da América Latina - CAL, Universidade de Brasília - UnB, Brasília, DF, Brasil. - Centro Cultural da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil. - Espaço Cultural Contemporâneo, Brasília, DF, Brasil. - Museu Nacional da República, Brasília, DF, Brasil. - Fondation Boghossian, Bruxelas, Bélgica.

ATIVIDADE DOCENTE

2010–2017 - Leciona as disciplinas: Laboratório de Poéticas Contemporâneas, Vídeo arte, além de orientar alunos, no curso de licenciatura em Artes Visuais, Universidade Aberta do Brasil, diversas cidades e estados brasileiros.


PORTAS VILASECA GALERIA

Rio de Janeiro / RJ

Portas Vilaseca Galeria foi fundada por Jaime Portas Vilaseca em 2012 no Rio de Janeiro. Até 2018 funcionou no bairro do Leblon para, em seguida, ocupar um edifício de três andares no bairro de Botafogo, onde vem promovendo uma agenda dinâmica de exposições e projetos artísticos especiais, entre outras ações. Atualmente, a galeria representa 22 artistas que compõem um importante recorte da produção da arte contemporânea brasileira recente em seus diferentes contextos.

A galeria caracteriza-se por duas frentes de trabalho: (a) a aposta em jovens artistas; e (b) a experimentação. Nascidos em diferentes gerações e oriundos de diversas regiões do Brasil, os artistas representados desenvolvem pesquisas em várias linguagens – pintura, desenho, escultura, gravura, fotografia, vídeo, instalação e performance. Mais do que criadores, nossos artistas são pesquisadores das artes visuais extremamente preocupados com o estatuto da imagem na contemporaneidade, assim como com a apresentação de suas produções. Ao observarmos as exposições realizadas, tanto na galeria, quanto em feiras de arte, fica claro que o ato expositivo é encarado como um ato experimental em que nenhuma proposição será igual à outra; e onde os visitantes terão uma experiência física e visual única.

Portas Vilaseca Galeria tem como valores a divulgação e a institucionalização no Brasil e no exterior de seu elenco de artistas. É determinante que as obras sejam, antes de tudo, um exercício de liberdade individual – seja para o público que as frui, seja para os artistas que as criam, ou para a galeria que as abriga e promove.

Portas Vilaseca Galeria é membro da Associação Brasileira de Arte Contemporânea – ABACT.


Outras obras do artista


A ArtRio utiliza cookies para personalizar a experiência do visitante em nosso site, analisar dados e ajudar em iniciativas de marketing. Ao clicar em “aceitar”, você está concordando com os nossos termos.