Sobre a obra

Ofereço Companhia - Anúncio O Globo


Ficha técnica

Anúncio em jornal, 2016.


Sobre o artista

Anna Costa e Silva

Artista visual e cineasta. Mestre em Artes Visuais pela School of Visual Arts, NY, seu trabalho explora as interseções entre cinema, artes visuais, artes cênicas e práticas relacionais, tendo o encontro como principal suporte artístico. Recentemente, recebeu os prêmios FOCO Bradesco ArtRio e a Bolsa Funarte de Estímulo à Produção Artística. Realizou as exposições individuais “Assíntotas” (Caixa Cultural, RJ, 2014), “Autorretrato” (Muv Gallery, RJ, 2015) e “Éter” (Phosphorus, SP, 2015) com curadoria de Franz Manata, Bernardo Mosqueira e Maria Montero respectivamente. Expôs seu trabalho em diversas exposições coletivas, em instituições como Parque Lage, Galeria do Lago – Museu da República, ArtRio, Centro Cultural Justiça Federal, Oi Futuro, Grace Exhibition Space (NY), Interstate Projects (NY) e na mostra Inventing Abstraction do MoMA- NY. Foi artista residente no Phosphorus, na School of Making Thinking (Catskills, NY) e na Salzburg Academy of Fine Arts. Em 2012, recebeu os prêmios American Austrian Foundation Award for Fine Arts, competindo com estudantes de mestrado de todas as universidades americanas e Edward Zutreau Memorial Award for Fine Arts pela sua tese de mestrado, a videoinstalação Assíntotas, na School of Visual Arts. Possui trabalhos na coleção permanente do MAR – Museu de Arte do Rio. É diretora e roteirista da série de documentários “Olhar” para o canal Arte1, sobre arte contemporânea no Rio de Janeiro, que estréia no dia 10.11.2015. Começou sua carreira dirigindo curtas metragens, apresentados e premiados em festivais em países como Estados Unidos, França, Portugal, Austrália e Bulgaria. Trabalhou como assistente de direção em 8 longas metragens, com diretores como Cacá Diegues, Jorge Durán, Arnaldo Jabor e Marcos Prado. Nascida em 1988, Rio de Janeiro, Brasil. Vive e trabalha no Rio de Janeiro, Brasil.


Galeria Superfície

São Paulo / SP

Inaugurada em maio de 2014, a Galeria Superfície desenvolve um seleto programa de exposições, em paralelo ao desenvolvimento da carreira de artistas contemporâneos e artistas de vanguarda cuja produção centra-se em torno dos anos 70. Dirigida por Gustavo Nóbrega a galeria desenvolve não apenas um trabalho comercial, de inserção de artistas em importantes coleções, como também mantém estreita relação com instituições e museus. Entre suas atividades, destaca-se a dedicação da galeria à produção de publicações voltadas à disseminação de grupos de vanguarda histórica, bem como artistas em meio de carreira. Em seu acervo também constam obras de artistas consagrados com Mira Schendel, Leonilson, Wlademir Dias-Pino, entre outros.


Outras obras do artista