Sobre a obra

República da desigualdade - Meritocracia seja louvada - C

Essa série se apropria da carga simbólica do " do poder fotográfico de registros de memória do Brasil, assim como, do lema de uma sociedade que acredita no mérito como a solução para a pobreza, a fome e a falta de oportunidades Hal Wildson faz alusão a nota mais valiosa do Real As obras são propositalmente maiores que uma cédula original, evidenciando um discurso ilusório, sem valor e cheio de promessas que há séculos vem sendo entregue ao povo brasileiro.


Ficha técnica

Digigravura, xerografia e datilografia sobre papel algodão HahnemühlePhotoRag188g – Tiragem: 30


Sobre o artista

Hal Wildson

Hal investiga a incompletude humana através dos aspectos da palavra, memória e consciência social. Em um processo criativo capitular o artista propõe uma nova linguagem estética a cada série, apropriando-se das possibilidades expressivas de diversos materiais e processos técnicos. Atualmente, Hal utiliza a máquina de escrever como elemento simbólico reafirmando o resgate da memória e palavra. "Somos agentes ativos de cada letra escrita, de que forma a história escrita influencia a história que ainda há de vir?” A máquina de escrever dá luz às memórias em esquecimento, reafirmando que é preciso lembrar para que não aconteça outra vez. As letras "embaralhadas" são como momentos históricos em narrativas turvas, palavras que estão em formação, um texto que ainda está escrito no agora. A disputa por narrativas históricas ganha destaque nessa fase artística de Hal, revelando o momento que vivemos como espelho do passado.


MOVIMENTO

Rio de Janeiro / RJ

Sob direção de Ricardo Kimaid Junior, a galeria Movimento apresenta-se como um espaço destinado a partilhar o processo criativo de artistas emergentes, assim como daqueles já consagrados. Possui um acervo criado a partir do cruzamento de diferentes gerações, prezando pela qualidade das linguagens e pela diversidade de novas perspectivas estéticas.  Fundada em 2007, realiza anualmente exposições com o objetivo de lançar, junto a um criterioso apoio de curadores, novas perspectivas críticas sobre a produção contemporânea. Em 2021 instala-se num lindo casarão de 112 anos no charmoso Baixo Gávea, tradicionalmente frequentado por artistas e intelectuais, somando-se ao charmoso circuito ali instalado. 


Outras obras do artista


A ArtRio utiliza cookies para personalizar a experiência do visitante em nosso site, analisar dados e ajudar em iniciativas de marketing. Ao clicar em “aceitar”, você está concordando com os nossos termos.