Sobre a obra

Capítulo XVI (Desenhão escrito Chocolate)


Ficha técnica

2014
Lápis grafite e ecoline sobre papel | Série de trabalhos para o livro As Surpreendentes Aventuras do Barão de Munchausen (Cosac Naify)


Sobre o artista

Rafael Coutinho

Rafael Coutinho é quadrinista, animador, designer e artista visual. Essa multiplicidade de atuações se revela na visualidade de seus trabalhos por uma sutil contaminação entre elementos gráficos, narrativos e pictóricos. Ligado ao campo editorial independente e ao cinema de animação, Coutinho coleciona projetos individuais e coletivos e prêmios em festivais como o HQ Mix e Festival de Cinema de Brasília. No campo da arte, suas pinturas em grandes dimensões costumam operar em uma retórica comum à fotografia still de cinema, em situações enigmáticas que autorizam o espectador a fantasiar sobre as continuidades da situação assistida, dentro e fora de cena. Nesses quadros, há uma priorização da pincelada em relação à linha, em construções formadas a partir da interação entre luz e graduações de sombras contaminadas pela cor. As transparências e sobreposições de planos conduzem a um universo onírico que perpassa essas narrativas aparentemente lineares, deixando margem para interpretarmos sua obra pictórica em uma chave de dupla burlagem do elemento linha: na fatura e em seu conteúdo. Se a pintura reclama uma certa especificidade, que em vários momentos da história da arte se traduziu pela compactação de uma história em uma cena marcante, Rafael Coutinho parece ter um método para não prescindir completamente da narrativa sequencial em razão da construção de uma só imagem. Resulta disso o mistério de suas ações congeladas e fantasmáticas, em cenas que rejeitam uma leitura apressada, uma vez que amalgamam discretamente dimensões visuais e psíquicas, temporais e espaciais.


GALERIA AURA

São Paulo / SP

Criada em 2015 como uma plataforma digital, a Aura dedicou seus primeiros anos de existência a mapear e inserir no mercado artistas do novíssimo cenário de arte contemporânea brasileiro. Gradualmente, a experiência on-line desdobrou-se em eventos presenciais, com exposições pop-up e a participação em feiras de arte contemporânea. Em 2017, esse processo culminou na abertura de um espaço físico próprio, na Vila Madalena, em São Paulo. Dirigida por sua sócia fundadora, a arquiteta Bruna Bailune, em seus primeiros anos de funcionamento a Galeria Aura realizou exposições ambiciosas de jovens artistas: nomes selecionados de sua plataforma digital, colaborando com diferentes curadores, novos ou renomados. A galeria também intensificou sua presença nas feiras de arte, com stands na SP-Arte, SP-Arte Foto, Parte e Art Rio. Em 2019 a Aura se reposiciona, associando-se à BASA, uma articuladora de núcleos de pesquisa e plataformas culturais dirigida por Luisa Dantas e Lucas Ribeiro Pexão. Surge então um programa curatorial inspirado nas hiperconexões e na atemporalidade da era digital, materializando exposições que favorecem o cruzamento de circuitos, de públicos e de momentos da produção artística. Entre os artistas representados nesta fase atual, estão nomes que se desenvolveram junto com a história da Aura, da experiência digital à galeria de arte. Ao time, somam-se representações de artistas que chamam atenção pelo trânsito híbrido entre diferentes áreas da cultura contemporânea.


Outras obras do artista