Sobre a obra

Sem título


Ficha técnica

2018
Fotografia analógica 6x6 - processo cruzado
Impressão em papel de algodão
Tiragem única + 1 PA
Moldura: Madeira clara


Sobre o artista

Renato Custódio

Renato Custodio trabalha nas interações entre fotografia, intervenção urbana, escultura, instalação e som. Fotógrafo editorial com uma sólida trajetória dedicada à captura de manobras do skate em ambientes urbanos, Custodio segue uma linha coerente na execução de seus projetos artísticos, que conferem à técnica fotográfica um lugar destacado na mesma medida em que avançam em sua função de registro para utilizá-la como veículo de abstração de formas e, posteriormente, de inspiração para a construção de dispositivos tridimensionais. Suas imagens fotográficas estão ligadas à materialidade das técnicas analógicas e à exploração das transparências e camadas, por meio das quais o artista se volta aos elementos arquitetônicos em uma postura de atenção aos detalhes herdeira do racionalismo formal das correntes abstrato concretas do século XX. Em paralelo à captura/confecção de imagens bidimensionais, Custodio supera a planaridade das superfícies ao projetar esculturas geométricas relacionais e costurar a instalação dessas peças em lugares propícios à prática do skate, tanto no espaço público da cidade quanto em ambientes expositivos específicos do campo da arte. Ao embaralhar manobra, escultura e instalação, Renato Custodio convida diferentes atores culturais a uma conversa performática que enriquece o trabalho de arte na mesma proporção em que lhe confere marcas de uso, possibilitando uma obra participativa que não prescinde do enigma próprio do objeto artístico.


GALERIA AURA

São Paulo / SP

Criada em 2015 como uma plataforma digital, a Aura dedicou seus primeiros anos de existência a mapear e inserir no mercado artistas do novíssimo cenário de arte contemporânea brasileiro. Gradualmente, a experiência on-line desdobrou-se em eventos presenciais, com exposições pop-up e a participação em feiras de arte contemporânea. Em 2017, esse processo culminou na abertura de um espaço físico próprio, na Vila Madalena, em São Paulo. Dirigida por sua sócia fundadora, a arquiteta Bruna Bailune, em seus primeiros anos de funcionamento a Galeria Aura realizou exposições ambiciosas de jovens artistas: nomes selecionados de sua plataforma digital, colaborando com diferentes curadores, novos ou renomados. A galeria também intensificou sua presença nas feiras de arte, com stands na SP-Arte, SP-Arte Foto, Parte e Art Rio. Em 2019 a Aura se reposiciona, associando-se à BASA, uma articuladora de núcleos de pesquisa e plataformas culturais dirigida por Luisa Dantas e Lucas Ribeiro Pexão. Surge então um programa curatorial inspirado nas hiperconexões e na atemporalidade da era digital, materializando exposições que favorecem o cruzamento de circuitos, de públicos e de momentos da produção artística. Entre os artistas representados nesta fase atual, estão nomes que se desenvolveram junto com a história da Aura, da experiência digital à galeria de arte. Ao time, somam-se representações de artistas que chamam atenção pelo trânsito híbrido entre diferentes áreas da cultura contemporânea.


Outras obras do artista