Sobre a obra

Contraditório

O complexo de mudanças econômicas, tecnológicas e políticas chamado globalização traz impactos sobre as formas de expressar a ideia de pertencimento ao lugar onde se vive. Nesse contexto, como se dá a relação entre o “local” e o “global”?

Contraditório é um livro que estimula a reflexão sobre questões que, de tempos em tempos, retornam ao debate, de formas distintas, de quem acompanha a produção contemporânea em artes visuais. Afinal, será que em algum momento essas questões estarão resolvidas? Há resposta única e definitiva para tantas contradições? O ajuste de contas promovido por Moacir dos Anjos é, seguramente, uma atualização em temas que insistem em promover o desassossego e instigar os artistas num mundo em constante transformação.


Ficha técnica

Autor: Moacir dos Anjos

Número de páginas: 176

ISBN: 978-85-5591-039-5

Encadernação: Brochura

Ano de edição: 2017


Sobre o artista

Moacir dos Anjos

Moacir dos Anjos é pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife. Nascido em 1963, na capital pernambucana, foi diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães – MAMAM (2001-2006). Também foi curador da 29ª Bienal de São Paulo (2010) e das exposições Cães sem Plumas (2014), no MAMAM, A Queda do Céu (2015), no Paço das Artes, São Paulo, Adornos do Brasil Indígena – Resistências Contemporâneas (2016), no SESC Pinheiros, São Paulo, e Travessias 5 – Emergência (2017), no Galpão Bela Maré, Rio de Janeiro. É autor, entre outros, dos livros Local/Global. Arte em Trânsito (Zahar, 2005) e ArteBra Crítica (Automática, 2010), além de editor de Pertença, Caderno_SESC_Videobrasil 8, São Paulo (SESC/Videobrasil, 2012).


EDITORA COBOGÓ

Rio de Janeiro / RJ

Em 10 anos de publicações, a Editora Cobogó construiu um catálogo de mais de 230 títulos, que tratam desde a filosofia do artista norte-americano Andy Warhol sobre uma sociedade de consumo, às entrevistas do curador suíço Hans Ulrich Obrist com pensadores e artistas de várias áreas, aos caminhos de construção das obras de diversos artistas, aos artigos do cineasta Cacá Diegues sobre a sociedade brasileira, as reflexões acerca da globalização e da arte do pesquisador Moacir dos Anjos, além da reedição do primeiro livro de John Cage publicado no Brasil, com tradução do poeta Augusto de Campos. Cada livro da Cobogó recebe o cuidado especial que vai desde o contato direto com o autor, o tratamento do texto, o cuidado com as imagens, passando pelo projeto gráfico, a textura do papel e o tipo de acabamento. Um caminho de desafios e conquistas, reconhecido, em 2016, na 58a edição do Prêmio Jabuti, com o primeiro lugar na categoria Livro de Arte, por Histórias mestiças, organizado por Lilia Moritz Schwarcz e Adriano Pedrosa. O catálogo da Editora Cobogó se destaca por livros de arte sobre artistas consagrados e também sobre novos nomes do mundo das artes. Foram publicadas monografias de Adriana Vareja?o, Nuno Ramos, Laura Lima, Erika Verzutti, Sonia Gomes, Marina Rheingantz, Mauro Restiffe, Paulo Nazareth e Iran do Espírito Santo. Em 2018, foram lançados livros de Katia Maciel, Maria Laet, Carla Chaim, Paulo Nimer PJota e Iole de Freitas, além do livro de colagens de Beatriz Milhazes.


Outras obras do artista