"Pardo é Papel" Individual de Maxwell Alexandre

Maxwell Alexandre, jovem pintor carioca, morador da Rocinha, elabora uma reflexão sobre uma cor, fato mais do que recorrente na história da arte, que vê na forma e na cor elementos de sua própria linguagem. Porém, aqui, o pardo é ressignificado pelo artista, nos levando a outras direções. Ao produzir autorretratos sobre papel pardo, MW (assinatura do artista) passa a perceber que estava, também, diante de um ato político: pintar corpos negros sobre papel pardo. Os estigmas são assumidos e revertidos. A cor da pele negra, confundida com a cor do papel, retorna como condição de resistência, como reação: “pardo é papel”. Congregam-se, assim, arte e cultura, forma e subjetividade.

Entrada R$20, com gratuidade às terças-feiras.

26.NOV - 31.MAR
Museu de Arte do Rio
Praça Mauá

De 10:00 às 17:00